Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 8 em cada 10 pessoas no mundo sofrem diariamente com dores nas costas, por isso estas dores são consideradas uma das maiores enfermidades do século XXI.

Provavelmente ao ler este artigo você irá identificar-se imediatamente com esta questão, ou lembrar de alguém muito próximo que padece com estas dores. Mas, afinal de contas o que são as dores nas costas?. De acordo com a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), as dores nas costas são disfunções anatômicas e fisiológicas que ocorrem no aparelho músculo esquelético, principalmente nas regiões ventrais e dorsais da coluna vertebral, estas alterações desencadeiam lesões crônicas ou agudas em diversos músculos, ligamentos ou ossos.

A resultante destas lesões em muitos casos é a dor severa e a perda da mobilidade funcional para os indivíduos, estas perdas de funcionalidades é a segunda maior causa dos afastamentos dos trabalhadores no Brasil segundo o Anuário Estatístico da Previdência Social publicado em 2017,  ainda segundo a esta estatística, nos últimos anos as aposentadorias por invalidez por causa das doenças da coluna vertebral vem aumentando consideravelmente retirando uma população ativa e produtiva da economia brasileira, outro reflexo destas doenças são os custos elevados para Sistema Único de Saúde nos tratamentos destes pacientes, consumindo recursos importantes que poderiam ser investidos na prevenção e tratamento de outras doenças. Porém, neste momento do texto você deve estar perguntando-se, o que causa estas dores e doenças na coluna vertebral?.

Segundo o ranking de auxílios-doença concedidos pelo INSS, a dor nas costas é a doença que mais afasta trabalhadores no Brasil por mais de 15 dias. Em 2016, 116.371 pessoas tiveram de se ausentar do emprego por, no mínimo, duas semanas em razão dessa enfermidade. O número representa 4,71% de todos os afastamentos.

De acordo com diversos estudos científicos publicados na American Academy of Orthopaedic Surgeons (AAOS) sociedade científica americana que é referência nas pesquisas ortopédicas, as doenças da coluna vertebral estão associadas diretamente aos estilos de vida dos indivíduos, principalmente em determinados grupos de pessoas que apresentam hábitos descritos como de risco, sendo eles: tabagismo, sobrepeso, sedentarismo, má alimentação, estresse e postura inadequada, ainda segundo estas pesquisas os indivíduos que enquadram-se em um ou mais destes itens relatados anteriormente possuem uma probabilidade maior de apresentar futuramente doenças na coluna vertebral em comparação com pessoas que não portam estes hábitos.

Caso você tenha algum destes fatores de risco efetue este breve teste clinico. Sente-se em uma cadeira e posicione os seus pés ao nível do solo, deixe os joelhos flexionados e coloque as suas mãos sobre eles, afaste as suas costas do encosto da cadeira de maneira que ela fique ereta e mantenha a sua cabeça erguida olhando para o horizonte, mantenha esta posição de forma estática durante um período de 60 segundos. Caso você tenha  percebido alguma dor ou desconforto em suas costas principalmente nas regiões lombar, torácica ou cervical, fique atento pois você é um sério candidato a desenvolver algumas patologias na coluna vertebral. Na duvida procure um Médico Ortopedista ou Fisioterapeuta, estes profissionais poderão efetuar uma análise clínica aprofundada e elaborar um diagnóstico nosológico e cinesio-funcional mais preciso para o seu quadro clinico.

Evite a automedicação sem prescrição médica, o uso continuo de analgésicos podem ocultar estas lesões dificultando um diagnóstico correto e precoce, o quanto antes você iniciar o seu tratamento mais rápido será a sua recuperação. Fique atento a todos os sinais do seu corpo, especialmente a dor, pois ela é um sinal fisiológico informando que algo está errado e necessita da sua atenção e cuidado.

Reflita sobre os seus hábitos e estilo de vida, tenha plena consciência que você é o único responsável por cuidar da sua saúde,  mantenha uma vida saudável praticando atividades físicas regulares, alimentando-se de forma correta, evitando o ganho de peso, e especialmente consulte regularmente o seu médico. Seguindo estas orientações você  reduzirá consideravelmente os riscos de padecer de alguma doença na coluna vertebral.

Por: Welington José Gomes Pereira, Edson Cit Júnior, Acadêmicos de fisioterapia da UniDOMBOSCO – welingtongp@gmail.com