No Paraná, somente o Poder Executivo investiu R$ 3,66 bilhões em 2017, valor que sobe para R$ 3,8 bilhões se forem incluídas as inversões financeiras para investimentos. Além de investimentos em obras, o Governo do Estado tem aplicado mais em educação, saúde, segurança pública e outras áreas importantes.  Foto:Jaelson Lucas / ANPR

O Paraná foi o segundo Estado que mais investiu no exercício de 2017. Levantamento feito pela Secretaria de Estado da Fazenda com dados publicados pelas unidades da federação mostra que, em valores absolutos, apenas São Paulo destinou mais recursos para obras no ano passado.

No Paraná, somente o Poder Executivo investiu R$ 3,66 bilhões em 2017, valor que sobe para R$ 3,8 bilhões se forem incluídas as inversões financeiras para investimentos. “É um recorde histórico”, afirma o secretário estadual da Fazenda, Mauro Ricardo Costa.

Só para efeito de comparação, o Estado de São Paulo empenhou, em 2017, R$ 12,85 bilhões para investimentos, ou 8,5% de sua Receita Corrente Líquida. Mauro Costa explica que o Paraná foi além e investiu 10,5% da Receita Corrente Líquida do ano passado.

O terceiro colocado em volume de recursos foi Minas Gerais, que destinou R$ 3,28 bilhões para investimentos, seguido de Bahia (R$ 2,6 bilhões) e Ceará (R$ 2,46 bilhões). O levantamento não leva em consideração os dados do Piauí e do Rio de Janeiro, que ainda não disponibilizaram as informações nos portais de transparência.

PODERES E ESTATAIS

Ao todo, o Paraná investiu R$ 6,78 bilhões em 2017, o que representa um crescimento de 17,3% na comparação com o exercício anterior. Esse valor inclui recursos aplicados pelos três poderes e pelas empresas estatais.

“O Paraná tem se destacado em relação a outros Estados e, além de investimentos em obras, o governo tem aplicado mais em educação, saúde, segurança pública e outras áreas importantes. O crescimento nos investimentos mostra que o ajuste fiscal deu certo e os resultados merecem ser compartilhados com a população”, acrescenta o secretário. Ele lembra que para 2018 está previsto outro volume recorde em investimentos, que devem somar R$ 8,4 bilhões.